A CALVÍCIE TEM TRATAMENTO?

A CALVÍCIE TEM TRATAMENTO?

Um assunto que mexe com a auto-estima e bem estar psicológico. Entenda mais sobre o assunto e tratamento.

A calvície, alopecia androgenética, pode acontecer com homens e mulheres, em faixas etárias parecidas e os fatores são, normalmente, os hormônios sexuais e predisposição genética. O hormônio é chamado di-hidrotestosterona (DTH), e, ele age diretamente sobre as raízes capilares. As causas variam, mas a principal é a avidez dos receptores desse hormônio. Por ser uma doença de pele, ela pode acometer de maneira branda ou com grande perda de fios. Por isso é preciso investigar as razões para cada paciente.

“A perda dos fios capilares pode acontecer em diferentes etapas da vida, não é possível determinar uma idade especifica porque depende de cada paciente. A calvície, apesar de não ter uma cura completa, com tratamento pode estabilizar”, explica Dr. André Piancastelli, médico dermatologista.

Os tratamentos

Um dos tratamentos indicados é o MMP – micro infusão de medicamentos percutânea. É um procedimento que auxilia no crescimento e também engrossa os fios. Com essa técnica, produtos atingem diretamente o alvo (raiz dos fios e couro cabeludo) através de micro agulhas.

Essa técnica requer mais de uma sessão e irá ter o tratamento definido de acordo com cada paciente. Dr. André esclarece que, “o equipamento fica em contato com o couro cabeludo e gera pequenas lesões no couro cabeludo, que irão promover a recuperação e estimular o crescimento. A ação do tratamento irá ter como resposta o crescimento capilar.”

VOLTA AS AULAS E OS CUIDADOS COM AS CRIANÇAS

VOLTA AS AULAS E OS CUIDADOS COM AS CRIANÇAS

As férias acabaram! As crianças voltam a reunir em sala de aulas. Tem muita alegria de sobra e também chances de aparecer um inimigo antigo: os piolhos. Como evitá-los?

É pensar em piolhos que temos mães apavoradas, cabeças coçando e um desespero. Se forem meninas então, com seus cabelos grandes e fofos, preocupação triplicada. Mas, como evitá-los? Como tratar? Quais os cuidados? Como toda questão relacionada à saúde, não existe uma regra, mas alguns cuidados ajudam.

A infestação dos piolhos, chamada de pediculose, acontece muito em períodos com a temperatura mais amena e aonde existem várias crianças, aumentam-se as chances. Prevenir exige alguns cuidados dos pais e professores. Um trabalho em equipe que dá certo.

“Para evitar a pediculose, os pais e professores precisam ficar atentos se as crianças estão coçando muito a cabeça. Além disso, caso exista o registro de alguma criança com piolho, avisar os demais. Outra maneira é manter as unhas cortadas, trocar roupas de camas e mesmo que não haja a presença de piolhos na criança, lavarem o cabelo”, orienta a Dra. Gisele Rocha.

Se os piolhos forem confirmados, é preciso procurar as lêndeas (ovos) nos fios e couro cabeludo. Para tratamento poderão ser usados xampus ou loções. Lembrando que a decisão requer orientação médica porque cada pessoa poderá utilizar um método. E Dra. Gisele relembra: “Utilizar de receitas caseiras é muito perigoso e pode trazer novos problemas. Por isso, é preciso procurar uma orientação adequada à cada caso”.

COMO EVITAR O RESSECAMENTO DA PELE NO INVERNO?

COMO EVITAR O RESSECAMENTO DA PELE NO INVERNO?

Com as baixas temperaturas e umidade do ar, banhos quentes são grandes vilões do inverno. Conheça alguns cuidados que ajudam a passar por essa época com a pele mais saudável

Quando chega o inverno é comum: temperaturas baixas, banhos mais quentes e aí pele ressecada. Essa sensação acontece porque os banhos mais quentes reduzem a quantidade de oleosidade natural da pele, diminuindo, assim, a umidade. É comum, então, queixas de pacientes com a pele mais esbranquiçada, áspera ou uma sensação que está muito seca.

Algumas doenças também podem acometer a pele como: dermatite seborreica, atópica, psoríase e a ictiose. Em todos os casos, é muito importante procurar um dermatologista para acompanhamento e solução adequada. Nunca utilize de pomadas ou cremes sem orientação.

“Para evitar os sintomas dessa estação do ano é muito importante beber bastante água, ter uma alimentação rica em vitaminas e utilizar hidratantes”, explicou Dra. Gisele Rocha. E ela ressalta: “É preciso lembrar também de utilizar protetor solar. Apesar da sensação solar ser mais branda, o cuidado com a pele é o mesmo. E se o paciente perceber algo diferente é primordial procurar um médico, para orientações sobre os cuidados corretos”.

Dicas para cuidar da pele no inverno

Na entrevista com a Dra. Gisele Rocha, separamos algumas dicas que ajudam a cuidar da pele. Confira:

  • Beba bastante água – em média dois litros por dia.
  • Evite banhos quentes muito demorados.
  • Use o hidratante de acordo com as orientações do médico dermatologista.
  • Utilize protetor solar diariamente.
  • E em casos de ressecamento labial e facial é preciso procurar hidratantes específicos para a região.